ETAPAS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA- SUB 5 A SUB 23

ETAPAS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA- SUB 5 A SUB 23

A estruturação das etapas de formação deve ser uma prioridade para os clubes, de modo a impedir a “queima de etapas”, uma especialização precoce ou apenas que algumas capacidades não sejam contempladas (físicas, técnicas táticas, psicológicas, sociais), quando o deviam ser.

ETAPA 1 –FUNDAMENTOS – SUB 5 a SUB 7
É muito importante que o atleta nesta idade se divirta, que tenha prazer em estar junto de outros meninos, que saiba estar em grupo e goste da prática de atividade física, desenvolvendo habilidades motoras fundamentais (correr, saltar, lançar, agarrar e pontapear)
As habilidades desenvolvidas nesta etapa servirão de base para as ações motoras especificas e inerentes ao jogo de futebol a trabalhar no futuro.
Deve utilizar-se jogos pré-desportivos durante esta etapa, utilizando a bola com o objetivo de estimular o gosto pela modalidade, não esquecendo o objetivo primordial que é o desenvolvimento das habilidades motoras fundamentais.
Nesta etapa não se treina futebol, treina-se o gosto pela atividade física, o saber estar e o gostar de estar em grupo, treina-se o desenvolvimento motor, estimulando-se o gosto pela modalidade.

Conceitos-Chave – Diversão; Habilidades motoras fundamentais.

ETAPA 2- APRENDER A TREINAR, AS BASES DO JOGO – SUB 9 a SUB 11

O desenvolvimento individual do atleta é a prioridade, do ponto de vista técnico esta faixa etária é a indicada para o desenvolvimento e aperfeiçoamento das habilidades técnicas (Lloyd & Oliver, 2012), logo a utilização de jogos reduzidos para melhoria da tomada de decisão e as ações técnicas de base (passe, receção da bola e técnicas defensivas), bem como o desenvolvimento dos Skills (Mendes, 2014), são essenciais.
Nesta etapa o treino já começa a ter uma noção menos lúdica e os atletas já tendem a ser mais disciplinados e segundo Severino (2010) do ponto de vista Tático inicia-se a aprendizagem dos princípios gerais (procurar superioridade, evitar igualdade e recusar inferioridade numéricas) e específicos do jogo (Sub 10- Progressão, Contenção, Cobertura Defensiva e Ofensiva; Sub 11- Progressão, Contenção, Cobertura Defensiva e Ofensiva, Concentração e Mobilidade.
Nos aspetos físicos deve desenvolver-se a multilateralidade com foco no futebol, as capacidades coordenativas e propriocetivas (Balyi & Hamilton, 2004) e continuar a estimular os movimentos básicos, bem como a flexibilidade, a coordenação, a agilidade e o equilíbrio.
Nesta fase, psicologicamente o atleta tem uma motivação geral para as atividades desportivas e os treinadores conseguem com relativa facilidade perceber as reações dos atletas, sendo que se deve potenciar um ambiente positivo, pois a probabilidade de evolução dos atletas está relacionada com a alegria na forma como desempenham as tarefas. (Serpa, 2016). Devendo-se ter uma atenção especial na formação pedagógica, ética, estimulando o empenho e a noção de trabalho de equipa, pois estamos a preparar não só atletas, mas futuros Homens. (Severino, 2010).

Conceitos-Chave – Desenvolvimento individual; Habilidades técnicas; Jogos reduzidos; Conhecer o Jogo; Princípios de Jogo; Multilateralidade; Ambiente Positivo.

ETAPA 3- DESENVOLVER O SABER TREINAR- SUB 13

Esta etapa deverá marcar a iniciação e adaptação ao treino específico, aumentando a exigência, o treino deve ser adaptado às características dos atletas e possibilidade de diferenciação por grupos devido aos diferentes estados maturacionais (Lloyd & Oliver, 2012).
A nível técnico deve-se procurar a continuação da introdução de habilidades mais complexas e o seu desenvolvimento em contexto de jogos reduzidos ou condicionados.
A nível tático deve-se introduzir os vários sistemas e momentos do jogo, nomeadamente as transições ofensiva e defensiva.
Introdução aos esquemas táticos ofensivos e defensivos, aumentando a importância dos aspetos táticos no treino, como a ocupação racional do espaço de jogo, a concentração e incentivar a tomada de decisão, através de combinações simples; introduzir as marcações, desmarcações e ocupação de espaço livre (Mendes, 2014).
A orientação metodológica deve focar-se na aprendizagem e treino sistemático dos aspetos técnico-táticos fundamentais do Futebol.
A nível físico esta etapa é uma janela de adaptação acelerada ao treino aeróbio, pelo que este passa a ser mais estruturado (Balyi & Hamilton, 2004). A flexibilidade, a coordenação e a agilidade continuam a ser parte importante do treino, devendo estimular-se a velocidade de deslocamento e a aceleração (Lloyd & Oliver, 2012).
Psicologicamente deverão ser estimulados valores como a superação, a cooperação, a responsabilidade e a disciplina, principalmente os atletas que têm menos aptidão, pois estes tendem a ter um empenho inferior aos mais talentosos. (Serpa, 2016).

Conceitos-Chave – Treino específico; Estados maturacionais; Ocupação Racional do espaço; Ações Coletivas Elementares e Complexas; Princípios Específicos de Jogo; Sistema Tático.

ETAPA 4- TREINAR PARA COMPETIR, DESENVOLVER AS BASES DO RENDIMENTO- SUB 15 A SUB 17

Nesta etapa procura-se uma aproximação ao potencial do atleta, acelerando o desenvolvimento das capacidades físicas, tornando-se importante a recuperação entre treinos e exercícios e a preparação para a competição (Wilson, 2017). Nas orientações metodológicas deverá constar a consolidação da especialização tática específica e dar-se-á início ao processo de avaliação da competição (Balyi & Hamilton, 2004).
Procura-se a consolidação dos aspetos técnicos através dos jogos reduzidos/ condicionados, desenvolvimento da técnica em contexto mais complexo em função das posições e a possível existência do treino individualizado para melhorar pontos fortes e fracos (Mendes, 2014).
A nível tático promove-se o treino dos diferentes momentos do jogo, procurando que o jogador compreenda as suas missões táticas específicas e aumente a perceção relativamente ao tempo, espaço e número, ocupação racional do espaço de jogo, Princípios e fases do jogo e Sistemas e métodos de jogo. Consolidar as habilidades desportivas específicas (técnico-táticas).
Consolidação e aperfeiçoamento em jogos de Gr+10×10+Gr. Os objetivos são o treino específico de futebol, a aproximação ao potencial do atleta e a sua gestão de expetativas.
A nível físico promove-se uma aceleração do seu desenvolvimento (força rápida, velocidade de deslocamento e aceleração, flexibilidade, trabalho aeróbio e anaeróbio e prevenção de lesões (Balyi & Hamilton, 2004), bem como o trabalho de core para prevenção de lesões (Mendes, 2014).
Psicologicamente, procede-se à definição de objetivos individuais e coletivos e valoriza-se o trabalho em equipa, devemos introduzir rotinas pré-competitivas, e preparação mental (autocontrolo, autoeficácia e comunicação), bem como técnicas de relaxamento e controlo da ansiedade (Mendes, 2014). Observando-se formas distintas de envolvimento no processo, “uns vão treinar e outros apenas vão ao treino”, sendo que os que apresentam um nível mais próximo da excelência tendem a revelar um empenho mais sério e profundo. (Segundo Serpa, 2016).

Conceitos-Chave – Especialização; Treino individual; Treino Específico; Gestão de expetativas; Prevenção de lesões; Objetivos individuais e coletivos.

ETAPA 5- COMPETIR PARA GANHAR, DESENVOLVIMENTO DO RENDIMENTO- SUB 19 a SUB 23

Nesta fase onde já se pretende atingir a especialização a nível técnico pretendemos o aperfeiçoamento das ações individuais. (Garfia & Buñel, 1998) e desenvolver habilidades ajustadas às exigências e características da competição (Mendes, 2014), de modo a atingir o rendimento/resultado desportivo.
Desenvolvendo a nível tático questões mais complexas, muitas delas pouco abordadas anteriormente, pretendendo-se que entendam com facilidade os princípios e fases do jogo, a ocupação racional do espaço de jogo, abordagens a diferentes sistemas e métodos de jogo, ganhando claras noções táticas e estratégicas, conhecimento claro do seu modelo de jogo e treino específico da técnica e tarefa a desempenhar no jogo (Bompa, 1999), bem como se pretende que potenciem a competência nas decisões e análise de jogo (Mendes, 2014).
Esta etapa é o momento mais adequado a nível físico para o treino das capacidades condicionais e motoras: trabalho de natureza anaeróbia, desenvolvimento da força, da potência muscular e da velocidade máxima e resistente (Barata, 1999). Ganhando claras noções da periodização e controlo do treino (Mendes, 2014).
A nível psicológico, os atletas centram-se nos seus desempenhos e formas de os melhorar, mas por outro lado surgem outros tipos de motivações de carácter secundário, sejam materiais ou sociais, que podem retirar o foco aos atletas (Serpa, 2016), logo deveríamos tentar garantir o menor número de distrações levando a que os atletas entendessem a importância de se manterem focados na tarefa e na sua evolução enquanto atletas a entrar no futebol profissional/sénior.

Conceitos-Chave – Rendimento; Transição; Futebol Profissional.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Post relacionados